Sem categoria
04/08/2021

Análise preliminar de riscos: 6 fatores para sua equipe externa ficar de olho antes de iniciar qualquer serviço

A análise preliminar de riscos (APR) é um dos cuidados mais importantes dentro de uma organização. Com ela, os gestores podem adotar uma postura proativa, identificando antecipadamente os perigos presentes no ambiente de trabalho e implementando medidas preventivas. Logo, evitam acidentes e doenças.

O documento contém os riscos presentes no ambiente de trabalho, suas causas e danos potenciais. Além disso, ele indica quais são as medidas preventivas para minimizar a probabilidade de eventos indesejados.

Esse conhecimento é importante para orientar as ações dos colaboradores, para que o trabalho aconteça em um ambiente seguro. Então, continue a leitura e confira 6 dicas para elaborar uma análise preliminar de riscos eficaz!

1. Defina o trabalho que precisa ser feito

Inicialmente, o gestor deve ter clareza sobre o fluxo de trabalho que deve ser realizado pelos colaboradores. Por isso, comece dividindo o processo em tarefas para que cada etapa possa ser avaliada sobre os perigos para o colaborador.

Uma forma de padronizar a descrição das atividades é usar os 6Ms do Diagrama de Ishikawa. Com a metodologia, podemos definir o risco das tarefas a partir da análise do trabalho sob as seguintes perspectivas:

A organização facilita o levantamento dos perigos que serão destacados na análise preliminar de riscos (APR). Em uma oficina, por exemplo, teríamos os riscos ergonômicos ligados ao método adotado pelo colaborador, riscos químicos relacionados a solventes e lubrificantes, à poeira que cai no ambiente, riscos de acidentes com perfuração e cortes nas máquinas, entre outros.

2. Faça o levantamento dos riscos

O passo seguinte é avaliar as diferentes perspectivas da tarefa para identificar os perigos para os colaboradores. Segundo a Portaria nº 25/1994 do Ministério do Trabalho, os tipos de riscos ocupacionais são os seguintes:

A lista prevista na portaria é exemplificativa, e os gestores podem identificar todos os outros riscos ocupacionais relacionados aos tipos indicados. Já as cores identificam a presença dos perigos no mapa de riscos, que é uma planta do ambiente de trabalho com os perigos apontados.

3. Identifique as causas relacionadas aos riscos

O responsável pela análise preliminar de riscos deve buscar a origem dos perigos ocupacionais, que servirá para orientar as medidas preventivas. Normalmente, podemos ligar máquina, método, mão de obra etc. aos riscos ocupacionais para mapear as relações de causa e efeito.

Imagine, por exemplo, que os colaboradores estão expostos a fortes ruídos e objetos cortantes. A causa pode estar em uma máquina utilizada no ambiente de trabalho, que emite o barulho à medida que o funcionário executa suas tarefas.

4. Avalie os possíveis danos para os colaboradores

Assim como tem causas, os riscos geram consequências para os colaboradores. O ruído, por exemplo, leva à perda auditiva imediata ou mediante a degradação ao longo do tempo; um produto químico pode intoxicar o colaborador; uma ferramenta de corte pode causar ferimentos e assim por diante.

5. Planeje as medidas preventivas

As medidas preventivas lidam com as causas ou efeitos dos riscos ocupacionais. Nesse sentido, a NR1 determina que, primeiramente, devemos eliminar o fator de risco e — apenas se não for possível — partir para a mitigação ou proteção individual. Veja o que diz a legislação:

g) implementar medidas de prevenção, ouvidos os trabalhadores, de acordo com a seguinte ordem de prioridade:

I. eliminação dos fatores de risco;

II. minimização e controle dos fatores de risco, com a adoção de medidas de proteção coletiva;

III. minimização e controle dos fatores de risco, com a adoção de medidas administrativas ou de organização do trabalho;

IV. adoção de medidas de proteção individual.

Perceba que a proteção individual é o último item da lista. Por exemplo, caso a análise preliminar de riscos identifique que certo produto de dedetização traz um risco químico, tentamos primeiramente não utilizar o item tóxico, recorrendo aos equipamentos de proteção individual (EPI) somente se não for possível eliminá-lo da atividade.

6. Documente a análise preliminar de riscos (APR)

Com as informações levantadas, devemos preencher a APR. Além da identificação da empresa e do responsável pela avaliação, o modelo mais comum traz as seguintes colunas de uma tabela:

O ideal é buscar um sistema de gestão para fazer o controle das tarefas com recursos digitais e ferramentas de automação. A tecnologia aumenta a visibilidade e o controle do gestor, bem como fornece informações úteis para tomar decisões. Logo, torna a análise preliminar de riscos mais fácil de planejar e executar.

Na DKRO, temos soluções de inovação para realizar a gestão de equipes e organizar as informações necessárias para prevenir riscos. Confira nossos serviços e entenda como podemos ajudar a sua empresa!

Escrito por Philippe Aymard

Leia Também